Bem vindos, alunos e demais visitantes!

Este blog foi criado para dar apoio a nossas atividades acadêmicas na disciplina de Estética e História da Arte. Aqui você vai encontrar nosso Programa de Ensino e Aprendizagem com um cronograma de todas as nossas aulas, instruções para elaboração de trabalhos e material de apoio de aulas. Além disso, conto com a ajuda de todos vocês para transformar esta página em uma extensão virtual da sala de aula, compartilhando nossas reflexões, produções e aprendizado.

Bons estudos!

terça-feira, 12 de junho de 2012

Estudo de caso dos filmes "Harry Potter" e "O senhor dos anéis"


O público alvo do filme “Senhor dos Anéis” são os jovens/adultos, porque é um filme muito complexo. Já o filme “Harry Potter” é voltado para o público em geral (crianças podem assistir que conseguem compreender o filme e também é um filme que prende a atenção dos jovens e adultos). A diferença é que o filme Senhor dos Anéis é um atrativo de época medieval, contendo mitos antigos. Já o filme do Harry Potter é um misto de coisas atuais e antigas.

Ambos os filmes são fictícios, sendo eles “Best Sellers” (livros e filmes). Os filmes estão voltados para a magia que tenta manter a harmonia porque uma vez se a força do mal vencer, existirá uma era das trevas.
Os protagonistas de ambos os filmes foram afetados por bruxos do mal, tentando combatê-los, dando à indústria muito lucro e o sucesso dos filmes gerou uma continuação de filmes, um dando sequencia ao outro.

Kamila Freitas Moreira
Rosilene Sousa Oliveira
Thaís Oliveira da Silva
Juliana Tresseno Resende
Erilany Barros de Sousa
Marisa Vieira Juliani Jacome
Osmar Ferreira

Estudo de Caso

Arte e nacionalidade: O modernismo descobre a cultura brasileira

 

 Estudo de Caso.

 No Manifesto Antropófago, de Oswald de Andrade podemos ver que o povo brasileiro  aceitou ou descobriu a Religião ou Fé, mais não do jeito como os Europeus gostariam, mais do nosso jeito, com a nossa fé Brasileira. Pois os Europeus nos levavam como ignorantes, porém o povo Brasileiro tem uma conciência da fé representada por Cristo, podendo vir de qualquer lugar, tanto da Bahia como em Belém do Pará,cidades que nacionalizam nossa religiosidade.O autor também reforça a conciência que Brasileiro possue identidade propria, sendo assim não precisando se submeter as   ídeias tradições e dos Europeus 


Camila de Souza

Débora Cristina (redatora)

Gabriel Lima

Regiane Dias

Rozineide Pimentel

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Aula 12. Arte, modernidade e consumo III: Cinema e fotografia

Principais tópicos abordados:
1. O papel do diretor na obra cinematográfica
2. Conteúdo - enredo, personagens, tempo
3. Ângulos de câmeras
4. Sequências e montagens
5. Fotografia cinematográfica
6. Trilha sonora
7. Revisão para a avaliação




Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

Harry Potter e O Senhor dos Aneis


1. O filme Harry Potter é direcionado ao público infanto-juvenil e adolescentes, pois trata da história de um pequeno mago que tenta se adaptar à sociedade e a família em que vive no mundo real, porém sem sucesso!
Já no mundo mágico da Escola de Magia, Harry Potter é um jovem de destaque. O Senhor dos Anéis é voltado para o público adulto, porém o assunto também envolve magias e feitiços vindos do anel.

2. A semelhança de ambos é que envolvem o mesmo tema da magia, da amizade entre os personagens, as lutas ou batalhas que travam contra seus inimigos e a vitória do bem contra as forças do mal.
A ambientação também se passa em locais bucólicos e misteriosos que valorizam a idéia da magia e mistérios desconhecidos.

3. Os elementos comuns entre os filmes são: a valorização das batalhas entre as forças do bem contra o mal, da amizade entre os personagens, do romance entre os protagonistas da história. Os filmes tem paisagens semelhantes quanto a intenção de expressar mistério e às vezes com pouca luminosidade.

CARMEN QUADROS MARÇAL
BIANCA CAROLINA CARDOS

A Nova Museologia


1) Os museus, no passado, tinham como principal característica o enaltecimento de fatos históricos que evidenciavam a elite social e política dos Governos que os criaram, de forma tendenciosa a perpetuar a soberania ou superioridade de uma classe social.
O Museu Afro Brasil, supera essa forma de narrativa e exposição dos fatos, trazendo ao conhecimento do público observador uma nova visão de quem eram e são os atuais descendentes dos africanos no Brasil, sua importância cultural para a construção de uma nova nação brasileira, recuperando o diálogo negro na nossa sociedade de forma mais igualitária.

2) As exposições do museu Afro Brasil, são referentes a fatos narrados por diferentes camadas de nossa sociedade, ou seja, menos elitizada e composta por pessoas que, muitas vezes, estavam à margem de nossa sociedade e não como uma classe dominante.
Para os brasileiro seria a oportunidade de conhecer melhor a cultura de nosso país do ponto de vista da nossa classe mais simples e comum, que é a maioria dos brasileiros.
Para os estrangeiros, mostrar parte de nossa riqueza cultural, advinda dos fortes laços que temos com as nações africanas.

3) Além do Museu Afro Brasil, é possível observarmos elementos da Nova Museologia em diversos museus da cidade de São Paulo. Tomando como exemplo a visita à Pinacoteca do Estado de São Paulo, observamos que além da principal exposição de uma artista estrangeiro, Alberto Giacometti, da França, que era o grande atrativo de público, haviam exposições paralelas muito interessantes, voltada ao público menos elitizado, como a exposição “Sentif para ver”, onde quadros do acervo eram reproduzidos em relevo, propiciando ao observador, mesmo que deficiente visual, a exata visualização, pelo tato, da obra exposta!

CARMEN QUADROS MARÇAL
VIVIANE R. SILVA 

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Aula 11. Arte, modernidade e consumo II: Museus e exposições artísticas

Principais tópicos abordados: 
1. Princípios de Museologia
2. O papel da curadoria
3. Coleções e galeria pré-museais
4. Museus no século XIX
5. A Nova Museologia do ICOFOM
6. Museus-espetáculo
7. Estudo de caso: Museu Afro Brasil



Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Estudo de Caso 15/05/2012











Comparando a obra da Tarsila do Amaral (Estrada de Ferro Central do Brasil) com o texto de Oswald de Andrade (Manifesto Antropófago), podemos interpretar a questão da contradição brasileira como um ponto de que existe uma forte mistura de crenças, raças e culturas no nosso pais, onde o mesmo povo tem visões diferentes, até mesmo distintas de um único "objeto" observado. Tento em vista também, a "construção" do Brasil em que o mundo todo teve influencia.

O quadro tem caracteristicas cubista e o intuito de retratar a predominancia das cores fortes representadas, onde pode-se notar a existência das cores da bandeira brasileira (verde, amarelo e azul), que tem a caracteristica alegre e vibrantes, que expressam o humor brasileiro através da cor.
Representa também a ideia da antropofagia que une o social e o econômico; a evolução brasileira, o crescimento das cidades, levando a uma identidade cultural independente.

Adriano Dutra
Jefferson Almeida
Jorge Amorim
Kananda Martins
Simone Ribeiro
Thais Alarcon

Estudo de caso 08/05/2012



No vídeo do Spacefox vimos a associação de surrealismo, por expressar os desejos reprimidos do personagem, onde o controle racional da mente é extinto dando novas formas aos objetos pela imaginação, usando um elemento central que é a ovelha, mostrando a satisfação que o personagem sente com o carro.
É voltado para um publico mais jovem, aventureiro, que vai utilizar o carro para vários tipos de experiências. Está relacionado ao surrealismo pelo fato do publico jovem ter um poder maior de imaginação e buscar mais a satisfação dos seus desejos.









Já no vídeo do C4, relacionamos ao cubismo, devido a retratar o veiculo por vários ângulos, mostrando todos os detalhes que o carro possa ter de importante, e usando as luzes como artifício para retratar profundidade da imagem.
É ligado a um publico mais sofisticado, que vê o automóvel como um bem material, um meio de transporte confortável que supra suas necessidades e mais voltada para os aspectos práticos.


Adriano Dutra
Jefferson Almeida
Jorge Amorim
Kananda Martins
Simone Ribeiro
Thais Alarcon

terça-feira, 22 de maio de 2012

Aula 10. Arte, modernidade e consumo I: Arte pop e publicidade

Principais tópicos abordados:
1. A escola de Frankfurt e a teoria marxista da cultura
2. O conceito de indústria cultural
3. Indústria cultural e economia capitalista
4. Indústria cultural e estilo
5. Indústria cultural e autoritarismo
6. Estudo de caso: Harry Potter e O Senhor dos Aneis



Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

No nosso estudo de caso, infelizmente não pudemos assistir aos trailers do dois filmes por problemas técnicos. Por conta disso, estou postando aqui abaixo ambos os trailers. Os grupos que quiserem fazer / refazer o estudo de caso após assistirem aos vídeos, fiquem à vontade: eu receberei o corrigirei as atividades com o maior prazer!


O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei



Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2
(Desculpe, pessoal, mas não consegui o link para o trailer legendado)




quinta-feira, 17 de maio de 2012

Estudo de Caso 08/05/2012 - Arte e originalidade III: Vanguardas modernistas na Europa

1- A propaganda do automóvel Citroen C4 esta associada ao cubismo, pois no anuncio o carro participa de um desfile onde cada uma de suas principais características é destacada, como por exemplo os seis air-bags, direção hidráulica, etc. Demonstrado uma especie de fragmentação com todos os seus componentes.
O uso de poucas cores também caracteriza o estilo cubista nesta propaganda.
Com relação ao Space Fox associamos a propaganda ao surrealismo, onde o sonho ou imaginário do protagonista é valorizado como uma das motivações para a aquisição do carro.




2- O publico alvo do Space Fox é de faixa etária mais jovem, que procura diversão, lazer, aventura, mas que tem suas fantasias e sonhos bem latentes.
Já o publico alvo do Citroen C4 é mais "Cult" que busca acima de tudo qualidade e estilo mais utilizado em um veiculo.


Juliana Francelino
Carmen Quadros
Drielle Santos
Bianca Cardoso
Mayara Simões
Viviane Roque

terça-feira, 15 de maio de 2012

Aula 09. Arte e nacionalidade: O modernismo descobre a cultura brasileira

Principais tópicos trabalhados:
1. Arte abstrata
2. Concepções sobre a identidade brasileira nos séculos XIX e XX
3. A Semana de Arte Moderna de 1922
4. A fase "pau-brasil" (1920)
5. A fase "social" do modernismo brasileiro (1930-40)
6. Estudo de caso: Pensamentos sobre a cultura nacional

Para quem tiver interesse, estou colocando aqui o link para o texto integral do Manifesto Antropófago, escrito em 1928 por Oswald de Andrade e publicado originalmente na Revista de Antropofagia. Trata-se do mesmo texto que usamos como base do nosso estudo de caso. O link é bem legal, vocês encontram inclusive imagens digitalizadas da publicação original.



Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Estudo de Caso 24/04/2012

No estudo de caso do dia 24/04/2012 tivemos a análise de duas imagens para apontarmos as semelhanças entre elas e o efeito da "Luz" sobre as mesmas.

Primeira Imagem:
Ginerny na Primavera, Claude Monet, 1900.


Segunda Imagem:
Iluminação noturna da Ponte Estaiada, São Paulo.


Em ambas as imagens podemos observar linhas em sua composição, onde essas direcionam o olhar do observador para a parte superior da imagem, o efeito da luz em ambas é fundamental, com cores bem semelhantes como por exemplo: verde, azul, vermelho, laranja e branco.

No Jardim do Giverny o turista pode desfrutar do sublime, harmonia, e tranquilidade da Natureza.
Já a imagem da ponte nos dá referência a noite agitada e animada de São Paulo e também ao acervo de Patrimônio Arquitetônico que há na cidade como por exemplo: Avenida Paulista, Estação da Luz, Parque do Ibirapuera etc, que com os efeitos das luzes os deixam ainda mais grandiosos.

Av. Paulista



Estação da Luz

Parque do Ibirapuera

Podemos concluir que a luz é de grande importância e através dela temos diferentes sensações. A luminosidade da primeira imagem traz a tranquilidade do dia no jardim e a beleza da Natureza, e a segunda o jogo de luz iluminando a ponte a deixa ainda mais bela e dar bastante ênfase à sua moderna arquitetura e retrata a questão da vida noturna e festiva dos Pauslistas.

Alunos:
Adriano Dutra
Jefferson Almeida
Jorge Amorim
Simone Ribeiro
Thais Alarcon

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Estudo de caso - 24/04/2012 - Primavera e Iluminação noturna da ponte estaiada


1- Ambas tem cores vivas e quentes, o alaranjado está em destaque por conta do jogo de reflexo das luzes.

   Primavera: É uma tela do período impressionista onde a imagem não tem esboço, é feita de "borros" e pequenas pinceladas, é uma imagem equilibrada por conta das cores estarem em proporção, refletem uma na outra.

   Iluminação noturna na Ponte Estaiada: É uma fotografia tirada de um angulo alto onde reflete as luzes (pontes, estrelas, faróis, flash da câmera) ao centro possui cores vivas.

2- O jardim da Givenyna é muito mais interessante para o turismo ser visitado durante o dia, pois se valoriza assim muito maus suas cores e luzes naturais e transmite em maior escala a sensação de tranquilidade que o locas proporciona.
   A Ponte Estaiada é muito mais interessante para o turismo ser visitada a noite, pois o jogo de luzes artificiais é que transmitem a sensação de beleza moderna e em movimento.

3- Na primeira imagem o jardim está claramente evidenciado e o jogo de luzes e sombra dão um toque de vivacidade a imagem sem perder a originalidade das formas.
    Na segunda imagem as luzes são o que dão significado a imagem, as luzes são assenciais para o efeito da imagem.


Andrea Novais 
Ewerton Rodrigues
Patricia Maria Nepomuceno
Tais Winter

terça-feira, 8 de maio de 2012

Aula 08. Arte e originalidade III: Vanguardas modernistas na Europa

Principais tópicos abordados:
1. Modernismo e vanguarda
2. O expressionismo alemão
3. O cubismo
4. O surrealismo
5. Estudo de caso: Modernismo e propaganda

Seguem os vídeos das duas propagandas que estudamos em nosso estudo de caso desta semana - a do Volkswagen SpaceFox e, na sequência, a do Citroën C4 Hatch.








Caso não esteja visualizando os slides acima, clique aqui.

quinta-feira, 3 de maio de 2012




  •  Olhando as imagens a cima podemos observar  que a primeira figura (À de Bernini) é uma figura humana masculina, monocromatica de tom levemente acobreado, mostrando movimento, com a parte superior da obra aparece em forma Diagonal;  A segunda figura (À de  Michelangelo) é uma figura  humana masculina, monocromática, o rosto de perfil e ereto. Ambas figuras seguram uma funda.
  •  O Davi de Bernini retrata o momento de sua luta contra o Grande Golias, captando o exato momento da ação, demostrando a emoção e o drama da luta.
  •  Já o Davi do Michelangelo demonstra maior perfeição do copo humano, com aspecto mais idealizado de um homem comum que se tornou rei.
  •  O Davi de Bernini é do estilo Barroco sendo mais dramático e  assimétrico, dando idéia de movimento, sendo mais próximo do natural.
  •  O Davi de Michelangelo é renascentista pois retrata uma beleza idealizada e mais harmoniosa.

  Entrando no contexto.

 Trago a quem não conhece e gostaria de conhecer a Historia Bíblica.

 Uma versão breve, mais  infantil, contando-lhes a historia*


    A versão  mais completa e detalhada da Historia mais em Filme*:


* Todos encontrados no Youtube.


 Grupo Participante:
 Camila de Souza
Débora Cristina (Redatora)
Gabriel Miranda
 Marina Arikawa
Regiane Dias
Rozineide Pimentel

quarta-feira, 2 de maio de 2012



ESTUDO DE CASO 17-04-12 - ROMANTISMO

Nesta aula de 10/04, vimos um vídeo que teve uma grande ligação com as características do Romantismo.
O Comercial retrata um momento de expressão de liberdade, no qual o principal personagem tenta sair da rotina cansativa e trabalhosa da cidade grande, e passou a criar hábitos que realmente valessem a pena, vivendo intensamente a cada dia. Percebe-se que ele cria um roteiro à ser seguido, diferenciando da vida urbana. Percebe-se que a vida na cidade é algo extremamente estressante e o personagem cria um roteiro para sair dessa rotina, frequentando campos, lagos, morros, cachoeira, com a presença dos amigos que compartilharam os momentos de prazer e lazer, com uma grande valorização da natureza.
A semelhança da propaganda ao pensamento do romantismo seria a ideia de que o personagem não queria fazer parte de uma determinada sociedade industrializada, igual aos pensadores do romantismo que não aceitavam o mundo que lhes eram apresentados. Eles queriam fugir da realidade daquela época.
A diferença, é que ao contrário do que se mostra no comercial, os pensadores não conseguiam fugir daquela rotina, eles não tinham alternativas e acabavam na solidão e na morte.
A indústria turística se baseia em alguns elementos do romantismo para vender seus serviços, pois de acordo com as características romantistas, os pensadores românticos procuravam voltar ao passado que tinha como elementos principais a religião e a natureza. Isso contribui para o turismo, pois se tornam atrativos turísticos, como por exemplo, as cataratas de Iguaçu, tão imponente com sua queda d’agua que demonstra o sublime e ao mesmo tempo o contato físico do turista próximo à queda d’agua, mostrando a natureza de uma forma bela. Podemos citar também, as igrejas, como a Catedral da Sé, que recebe muitos turistas, procurando contato com a religião e obras de artes que são expostas. 

Kamila Freitas Moreira
Juliana Tresseno Resende
Erilany Barros de Sousa
Thais Oliveira da Silva
Marisa Vieira Juliani Jacome
Osmar Ferreira Pereira

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Estudo de caso: Ford Ecosport com o Romantismo



O comercial mostra uma vontade de estar em qualquer lugar que seja mais tranquilo do que no universo maçante do nosso mundo industrializado. Já a diferença é a capacidade de usufruir do avanço tecnológico para procurar o seu sentido de vida  que diferente dos artistas românticos não tinham e o personagem da campanha publicitaria já tinha em mente o que ele precisava para preencher o vazio que o anonimato e falta de afeto que o mundo industrializado causa a sua existência.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Aula 07. Arte e originalidade II: A revolução do final do século XIX

Principais tópicos abordados:
1. O impressionismo
2. Impasses da arte no final do século XIX
3. O pós-impressionismo
4. Paul Cézanne
5. Estudo de caso: Ponte Otávio Frias de Oliveira







Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

terça-feira, 17 de abril de 2012

Aula 06. Arte e originalidade I: O novo estatuto do artista romântico

Principais tópicos abordados:
1. O século XIX: transformações históricas e sociais
2. Desencantamento do mundo e a cultura do século XIX
3. O novo papel da Arte
4. Características gerais da arte romântica
5. Realismo nas artes plásticas
6. Estudo de caso: Ford Ecosport

Segue abaixo o vídeo usado como base para o nosso estudo de caso. Trata-se do vídeo da campanha publicitária "Ford Ecosport Último Dia de Vida", criado pela agência Young&Rubicam e que foi ao ar em 2011. Puro romantismo adaptado à nossa sociedade de consumo!





Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

sábado, 14 de abril de 2012

A nobreza e a Liberdade.


Ao fazermos uma analise pré-iconográfica da obra Tiradentes, podemos perceber a assimetria geométrica encontrada entre a escada e a base da plataforma que formam um triângulo, direcionando para a cabeça, sendo a figura central da obra. O mastro com a plataforma formam uma cruz, e as outras partes do corpo dele estão formando figuras geométricas segundarias. Ao fundo temos uma paisagem e casas, dando a impressão de profundidade e longevidade.
No desenvolvimento da analise pela visão politica das obras, podemos dizer que a primeira representa a época em que Dom Pedro e a monarquia estavam no poder, comandando um povo submisso e com o apoio da nobreza, como ostentação ao luxo, representado por sua coroa e vestimenta.
A segunda obra por sua vez, era os ideias republicanos, contra a opressão, expressava a vontade com rebeldia a politica imposta na época, e as consequências de quem se mostra se contra a monarquia, foi o caso desse grande herói, chamado Tiradentes que lutou pela liberdade.


Grupo:
Jefferson Almeida
Osmar Ferreira
Elielza de Jesus
Ivonese de Souza
Reginaldo Lima

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Estudo de caso, das obras: "Tiradentes Esquartejado" e "Fala do Trono"

A obra escolhida foi "Tiradentes Esquartejados".

A pintura é dotada de cores vivas que sobressaem do vermelho ao marrom, mostra com muito naturalismo um corpo humano desmembrado. A obra se encontra em uma condição assimétrica com uma técnica de escorço onde o autor trabalha com sombras e iluminação para causar a impressão de profundidade e realismo.
O significado da obra é mostrar Tiradentes depois de seu enforcamento e esquartejamento, o mesmo foi um dos revolucionários mais importantes do Brasil, por se sacrificar pelo seu ideal republicano de liberdade e independência, e o autor quis representar o esquartejamento como o martírio de cristo.


Ana Carolina
Erika Cristina dos Santos
Gabrielle Xavier Nunes
Julio Cesar Vasconcellos

Estudo de caso, das obras: "A Ninfa Galateia" e "O Martírio de São Sebastião

A obra escolhida foi: A Ninfa Galateia de Rafael


A obra mantem uma vasto numero de figuras humanoides e antropozoomorficos com cores vivas com auto contraste com traços naturais. Com alguns grupos de figuras, sob técnicas de escorço.
Detém um naturalismo bem maior do que a obra "Martírio de São Sebastião" graças a sua leveza dos traços e do movimento que o afresco tenta passar, as cores harmonizam com o cenário. Suas figuras e sua simetria imperfeita colabora com a leveza de cada personagem.



Por:
Ana Carolina
Erika Cristina dos Santos
Gabrilla Nunes Xavier
Julio Cesar Vasconcellos

terça-feira, 10 de abril de 2012

Aula 05. Arte e religião: Idade Média e o Barroco

Principais tópicos abordados:
1. Idade Média: contexto histórico
2. Pintura medieval
3. Arquitetura gótica
4. Princípios do Barroco na Europa
5. O Barroco brasileiro
6. Estudo de caso: Duas versões de Davi

Alguém me perguntou, durante a aula, qual seria a altura das torres da Catedral de Colônia (esta que aparece na imagem ao lado). Fiz uma breve pesquisa e confirmei a informação: 157 metros. Isso equivale a um prédio de 50 andares, aproximadamente. Dá-lhe escada para subir até o topo!



Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

O martírio de São Sebastião e A ninfa Galateia


Rafael Sanzio - A ninfa Galateia (1507)
Antonio Pollaiuolo - O martírio de São
Sebastião (c. 1474)
                                        

As obras de Martírio causam um equilíbrio visual, onde as cores são opacas, retratando harmonia e com uma iluminação direta. Existe também a técnica de Perspectiva na pintura, porem muito pouco.
Ambos s artistas decidiram agrupar simetricamente as figuras das pinturas. Em ambas existe uma figura principal ao centro da tela, onde todos os elementos ao redor induz você a olhar primeiramente ao centro onde estaria os elementos principais: São Sebastião e a Ninfa, a primeira  é mais simétrica, pelo fato do mesmo esta suspenso e em forma de triangulo,  três a sua direita e o mesmo ao lodo esquerdo.
A segunda imagem parece ser mais natural devido a pureza e aos traços delicados que forma a imagem, desde os músculos dos tritões ao balançar do tecido da Ninfa. Podemos levar em conta o  smufato, na sombra que compõe o corpo de cada um, o cenário que provoca naturalismo. Possui simetria, pois o pintor eleva a atenção a Ninfa, que se encontra centralizada, os anjos formando uma forma triangular, juntamente com pessoas localizado nas laterais da obra. A cor, sombras, simetria e ilusão fazem com que a obra se torne totalmente natural para quem a vê. 

Gean Henrique Arcangio
Thais Alarcon
Jorge Amorim
Adrinao Dutra
Simone Ribeiro

quinta-feira, 29 de março de 2012

Aula 04. Arte e poder: O papel político da arte na Antiguidade e na Modernidade

Principais tópicos abordados:
1. Arte e política
2. O caso do Egito Antigo
3. O caso do Império Romano
4. O caso da Alemanha Nazista
5. A Academia Imperial de Belas Artes do Brasil
6. Estudo de caso: Pedro Américo

Eu acabei preparando mais material para esta aula do que conseguimos ver em sala de aula, porque preferi dar mais atenção à interpretação de cada obra de arte do que simplesmente mostrar um monte de coisas sem poder explicar direito. Por isso, nos slides, vocês encontrarão alguns materiais que eu não explorei em aula - tentarei falar sobre eles na aula da próxima semana, OK?



Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

Também prometi postar aqui um exemplo de filme de propaganda política da Alemanha nazista. Escolhi aquele que talvez seja o mais chocante e conhecido deles: O Judeu Eterno, produzido em 1940 e dirigido por Fritz Hippler. Desde já, peço desculpas aos judeus e leitores de família judaica pelos ultrajes contidos no filme, mas o horror do holocausto não pode ser esquecido. Segue abaixo um pequeno trecho do filme. Para quem tiver estômago e curiosidade, o filme pode ser encontrado na internet na íntegra sem dificuldades.

video


sexta-feira, 23 de março de 2012

Na aula de 12 de março, tivemos um estudo de caso referente a 02 obras. A 1° O Rapto Das Sabinas (1799) de Jacques Louis David, e a 2° obra de Pablo Picasso Guernica (1937). Nesta aula fizemos a analise das duas obras.

O Rapto das Sabinas é o nome pelo qual ficou conhecido o episódio lendário da história de Roma em que a primeira geração de homens romanos teria obtido esposas para si através do rapto das filhas das famílias sabinas vizinhas.
Nesta obra, percebe-se um duelo com utilização de muitos armamentos, onde se podem  ver as próprias Sabinas tentando impedir esta batalha, que está sendo disputada entre seus maridos e familiares. Mesmo com diversas crianças assistido esta guerra, existem muitas pessoas mortas. As Sabinas foram os reais motivos que geraram essa guerra. Em sua obra, o artista encarou a guerra como uma questão de “honra e prioridade”, pois se refere às “Sabinas” que eram as esposas de uma parte dos combatentes e também eram filhas da outra parte dos combatentes, que batalharam justamente por estes dois motivos.
Ainda na obra do “Rapto das Sabinas”, fizemos uma análise complete, e a escolhemos por ser uma obra mais chamativa e interessante visualmente.
Descrição pré-iconográfica: existem várias figuras aglomeradas em um campo aberto, utilizando as cores nos tons de marrom e vermelho, com muito contraste, tendo uma figura em destaque que separa e coloca uma divisão entre os grupos.
Análise iconográfica: é retratada uma guerra entre povos distintos, que representa os pais lutando pelas suas filhas “seqüestradas”, tentando tirá-las dos próprios maridos, passando conscientemente uma imagem brutal.
Interpretação iconológica: nesta obra o artista põe em questão a decisão das mulheres de optarem por ficar ao lado dos maridos ou dos familiares, que disputam com o objetivo de tê-las. É fácil perceber que existe um conflito entre os povos e para o artista é uma situação caótica, desorganizada, com grande aglomeração de pessoas, passando uma imagem real da guerra com cores chamativas.



Guernica é um painel pintado por Pablo Picasso em 1937, tela pintada a óleo, que retrata o bombardeio sofrido pela cidade espanhola de Guernica em 26 de abril de 1937 por aviões alemães, apoiando o ditador Francisco Franco. Atualmente está no Centro Nacional de Arte Rainha Sofia, em Madrid.
Na obra de Picasso, entende-se que já ocorreu uma guerra, pois é fácil perceber pessoas mortas e desmembradas, objetos quebrados, como por exemplo, a espada. A batalha ocorreu em um ambiente fechado, com pouca luminosidade e com grande aglomeração de pessoas. Observando mais detalhadamente, percebe-se a utilização das formas geométricas, retratando algo sombrio pelo fato da obra não impor cores vivas. Também aparecem animais que eram muito presentes nas obras de Picasso, porém até hoje não se tem uma definição da mensagem que o autor tentou passar através destes animais. Nesta obra, a guerra era retratada como uma questão política, onde a oposição não aceitava o mandato do ditador, gerando assim toda esta disputa e destruição.

      KAMILA FREITAS MOREIRA
      ERILANY BARROS DE SOUSA
      THAIS OLIVEIRA DA SILVA        
      ROSILENE SOUSA OLIVEIRA        
     



quarta-feira, 21 de março de 2012



Com base na aula do dia 13 podemos concluir que uma das é um item que era usado em julgamentos e a outra uma obra de arte de Pablo Picasso. A semelhança entre ambas é clara quanto ao rosto, por que podemos observar as formas finas e alongadas.
As duas possuem finalidades diferentes como a pimeira figura (à esquerda) criada para uso prático em julgamentos, já a segunda figura (à direita) é uma obra de arte criada para ser apreciada, além de refletir emoções .

Mais qual seria a inteção de Pablo Picasso ao expressar em sua obra o rosto baseado na mascara ?

Nada mais que omitir, esconder os sentimentos da então Prostituta, pois se olharmos a primeira figura é uma mascara usada por juizes em julgamentos pelos quais não poderiam representar emoções e sim deveriam ser imparciais alem de ser uma forma de diferenciar a figura da autoridade, então podemos concluir que uma mulher a qual Pablo Picasso expressou não poderia sentir emoções, deveria ser imparcial independente do cliente, pois estaria à negocios, além de que as Protitutas são pessoas que são vista de tal maneira alem de era julgada e Pablo picasso tentou transmitir a ideia de que essas mulheres eram também vistas como objeto de prazer dos homem, nada mais que um objeto.
Não podemos dizer qual das obras seria mais arte do que a outra, pois ambos são de culturas e épocas diferentes. Deveriamos aprecia-la cada uma com os criterios apropriados, mais isso não nôs impede de colocar-las lado a lado em uma explosição , como também dividi-las por categoria como de etinia ou até mesmo de época. mais de qualquer modo poderiamos aprecia-las e refletir muito bem!

Grupo participante:
Camila de Souza
Débora Cristina(redatora)
Gabriel Lima
Marina Arikawa
Regiane Dias
Rosineide Pimentel

terça-feira, 20 de março de 2012

Aula 03. Arte e beleza: O domínio da natureza na Grécia e no Renascimento

Principais tópicos abordados:
1. A noção de mimesis entre os gregos
2. Os períodos da arte grega
3. As ordens da arquitetura grega
4. Escultura na Grécia clássica
5. Princípios gerais do Renascimento na Itália
6. Composição e técnicas renascentistas
7. Estudo de caso: A ninfa Galateia e O martírio de São Sebastião







Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

quinta-feira, 15 de março de 2012

Máscaras africanas e a obra de Pablo Picasso



Apesar de suas semelhanças nas formas geométricas, como por exemplo, o rosto e o nariz alongado. As duas obras são de diferentes culturas, época e sociedades.
A mascara que era utilizada por juizes, representando serenidade, autoridade, neutralidade e impondo respeito em seus julgamentos, tem extrema importância na cultura Fang.
Por sua vez a obra de Pablo Picasso inspirada no artefato Africano, retrata a realidade das belas mulheres que trabalhavam em bordéis, de uma forma que não viesse a escandalizar a sociedade daquela época.
O quadro "Les Demoiselles d’Avignon" é de grande importância para historia da arte, pois foi à partir dele que nasceu o Cubismo, uma arte moderna e evolutiva para aquele tempo.



Autores:
Diego Veiga
Elyelza de Jesus
Jefferson Almeida
Kananda Martins
Osmar Ferreira

terça-feira, 13 de março de 2012

Plágio, paráfrase e citação: Normas para empregar textos alheios em trabalhos acadêmicos

Pessoal,

Conforme conversamos em sala de aula, segue o material de referência para vocês a respeito de plágio, paráfrase e citação. Reforçando o que já falei: qualquer forma de plágio, se identificada, anulará automaticamente a nota do trabalho. Usem e abusem das paráfrases e das citações para evitar surpresas desagradáveis.

E fica uma dica: reservem as citações, especialmente as longas, para circunstâncias especiais, quando vocês acham que não podem prescindir das palavras exatas do autor. Procurem sempre, na medida do possível, privilegiar as paráfrases.



Se você não consegue visualizar os slides acima, clique aqui.

Aula 02. Conceitos essenciais II: Arte, história, cultura

Principais tópicos abordados:
1. Jorge Coli - "Arte para nós"
2. Descrição pré-iconográfica da obra de arte
3. Análise iconográfica da obra de arte
4. Interpretação iconológica da obra de arte
5. Estudo de caso: Os artistas e a guerra

Para quem não conhecia a interpretação de Tintoretto da cena da última ceia, vale a pena a leitura de um pequeno texto a seu respeito (clique aqui para acessar). Leitores atentos poderão notar que o autor do texto abordou elementos pré-iconográficos, iconográficos e iconológicos, compondo uma leitura breve mas abrangente da obra de arte.



Se você não conseguir visualizar a apresentação de slides acima, clique aqui.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Capítulos de Leitura Básica - PLT


Como combinamos em sala de aula, segue uma lista com os nomes dos capítulos de leitura básica referentes a cada uma das nossas aulas. O PEA traz apenas a numeração de páginas na edição atual, que não bate com a numeração das edições mais antigas do livro. Quem estiver usando edições antigas (como a edição cuja capa está retratada na imagem ao lado) deve se guiar pelos nomes dos capítulos, listados abaixo:



06/03 – 11. A arte pré-colombiana
             12. A arte dos indígenas brasileiros

13/03 – Introdução: A arte na História

20/03 – 4. A arte na Grécia
             9. O Renascimento na Península Itálica

27/03 – 2. A arte no Egito
             5. A arte em Roma
 18. A influência da Missão Artística Francesa na arte brasileira

10/04 – 8. A arte gótica
             13. O Barroco na Península Itálica
             15. O Barroco no Brasil

17/04 – 16. A transição do século XVIII para o século XIX

24/04 – 19. O Impressionismo
             21. O final do século XIX na Europa

08/05 – 22. Século XX: primeira metade (I)
             23. Século XX: primeira metade (II) – Outras tendências

15/05 – 25. O Brasil começa a viver o século XX: o Movimento Modernista
             26. Artistas e movimentos após a Semana de Arte Moderna

22/05 – 29. A arte da segunda metade do século XX (I)

06/06 – 31. As novas linguagens da arte

Vadiação, gravura de Carybé

A Capoeira surgiu no Brasil por escravos que vinham da Africa, muitos deles angolanos. Quando chegaram ao Brasil os africanos tiveram a necessidade de criar uma tatica de defesa. Como são um povo de origem alegre e dançante criaram a capoeira, que na maioria dos casos mas se camuflava e se camufla como uma dança do que como uma luta e por esse motivo diversas vezes tem o uso da expresão "Dança de Capoeira".
Conclui-se que Carybé tinha uma relação positiva com o Brasil e suas culturas pelo fato dele ter vivido no estado da Bahia por muitos anos. Sua gravura chamada Vadiação retrata uma roda de capoeira em um lugar público, as cores são fortes e vivas e por esse motivo temos a impresão de ser uma manifestação alegre e harmoniosa. Sua obra nos parece ter um ar de protesto em cada tom ali existente, para que as pessoas que julgam a capoeira e a cultura baiana vejam o contraste  do titulo da obra e suas pré definições com a realidade retratada no quadro.

Autores:
Adriano Dutra
Evandro Gardin
Gean Henrique
Jorge Amorin
Simone Ribeiro
Thaís Alarcon (Redatora)

quarta-feira, 7 de março de 2012

Vadiação (Carybé)




Na aula do dia 28/02 aprendemos algumas noções básicas de como interpretar um quadro, utilizamos o quadro do artista argentino Carybé, onde utilizamos um critério muito interessante para descrever esse quadro em grupo, criando uma espécie de debate de opiniões, onde encaixamos todas as respostas dos integrantes do grupo em uma só, assim ficando mais dinâmico e possibilitando de todos participar.

Bom, na obra de Carybé (Vadiação) percebemos q retrata uma roda de capoeira, dança tipica brasileira encontrada em estados como Bahia, São Paulo e Rio de Janeiro, uma dança afro-descendente, no caso praticado por brasileiros que utilizavam essa dança como um lazer, ou refúgio para os escravos.

Essa obra tem a intenção de mostrar ao público, o cotidiano do afro-descendente e dos que seguem essa cultura, mostrar uma manifestação alegre, festiva do povo baiano sendo assim tão famosa pelo mundo inteiro.

Sendo assim uma obra que gera uma certa polêmica em relação ao nome por se chamar vadiação, na época, que poderia ser ter sido feito esse quadro entre 1960 e 1970, era dificil encarar a capoeira como uma manifestação cultural ou como arte por isso o nome de vadiação; Mas pelo pouco que sabemos de Carybé, é óbvio que ele ironizou esse quadro dando um nome negativo, mas retratando muito positivamente a figura do quadro, sendo muito enriquecido com cores alegres, muitas cores quentes, que passa realmente a identidade do povo baiano

Assim fazendo o artista Carybé se identificar muito com a cultura baiana, retratando toda sua experiência de vida na Bahia e essa talvez seja a sua verdadeira identidade cultural.

Autores:
Cauê Resende (redator)
Itala Gonçalves
Leonardo Troaiano
Robson Almeida
Felipe Braz

terça-feira, 6 de março de 2012

Aula 01. Conceitos essenciais I: os usos da arte

Principais tópicos abordados:
1. O conceito de arte
2. A Estética romântica
3. Beleza e expressão
4. Museus e instituições artísticas
5. Finalidades práticas da arte
6. Estudo de caso: Arte africana e o cubismo

Para quem tiver interesse nas obras que estudamos em nosso estudo de caso, seguem dois links: a página do Museu de Arte de Denver que abriga a máscara que estudamos e o verbete da Wikipedia sobre As Senhoritas de Avignon.



Se você não conseguir visualizar os slides acima, clique aqui.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Aula inaugural: Apresentação do Plano de Ensino e Aprendizagem

Principais tópicos apresentados:
1. Boas vindas
2. Turismo, cultura e arte
3. Apresentação do PEA
4. ATPS - Atividade Prática Supervisionada
5. Trabalho em grupo - Avaliação Bimestral
6. Estudo de caso: Carybé - Vadiagem (s.d.)

O download do PEA pode ser feito pelo menu na lateral direita ou clicando aqui. O download da ATPS também pode ser feito no menu à direita, ou diretamente aqui.



Se você não conseguir visualizar os slides acima, clique aqui.

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Pontapé inicial


Bem-vindos, caros discípulos!

Sim, eu sei que, por enquanto, vocês devem estar um pouco confusos com todo o novo mundo que se abriu diante de vocês com o início do seu curso de Graduação. São diversas atividades e compromissos para os quais vocês precisam estar atentos, e este blog foi criado para ajudá-los a se organizarem em relação às atividades da nossa disciplina de Estética e História da Arte. Para começo de conversa, vocês encontrarão aqui um calendário com todas as atividades e compromissos que vocês deverão observar (veja na barra lateral direita) e o nosso PEA, o famigerado Programa de Ensino e Aprendizagem. Esse documento será o norte de vocês durante todo o curso - antes de perguntar qualquer coisa ao professor, chequem primeiro o PEA! Lá vocês encontrarão:

1. um cronograma dos tópicos a serem desenvolvidos, aula a aula;
2. a ementa e os objetivos do curso, para ajudá-los a se situarem;
3. prazos para avaliações e entregas de relatórios e trabalhos;
4. instruções para a realização do trabalho que irá compor a Avaliação Bimestral;
5. indicações de leituras e sites para consulta e pesquisa

Além disso, a cada aula, você encontrará aqui o material de apoio multimídia usado durante a parte expositiva, além das questões, debates e atividades práticas e estudos de caso que realizaremos em sala de aula.

Mas, com o tempo, este espaço irá se tornar maior do que isso. Quero contar com a ajuda de vocês para poder publicar e divulgar as produções do nosso curso. Os trabalhos da Avaliação Bimestral poderão ser postados aqui para serem divulgados, compartilhados, curtidos no Facebook e tweetados para quem vocês quiserem - ou vocês preferem ter toda aquela trabalheira para, no fim das contas, só eu conhecer e comentar o resultado? Também irei selecionar as melhores produções elaboradas pelos alunos em nossas atividades práticas para serem publicadas aqui, da forma como vocês escolherem. Ou seja, desde já, estou convidando cada um de vocês a ser um coeditor deste nosso blog. Conhecimento que não se compartilha morre conosco! Claro que qualquer um de vocês também poderá comentar as produções dos colegas assim que elas forem publicadas: não há ferramenta melhor para se avançar no conhecimento do que o debate de ideias!

Mais uma vez, sejam bem-vindos, e bons estudos!